peixes se reproduzem

Veja como os peixes se reproduzem

Quando o assunto é o aquarismo, há muita informação interessante e que pouca gente sabe. Por exemplo, você já parou para pensar como os peixes se reproduzem? Existe um consenso um pouco equivocado de que a procriação das várias espécies se dá apenas por meio da colocação de ovos. Isso nem sempre é verdade.

Desse modo, cada linhagem gera novos animaizinhos de um jeito diferente. Algumas variedades até trocam de sexo: nascem machos e viram fêmeas e vice-versa. Para quem aprecia a atividade e quer despertar essa paixão nos filhos, abordar esse assunto pode ser uma boa forma de atrai-los à magia dos ambientes aquáticos.

Quer saber mais? Então veja neste post dicas fascinantes sobre como os peixes se reproduzem. Venha com a gente!

Conheça os três tipos de procriação

Levar seus filhos para conhecer o setor de aquarismo de um pet shop pode ser uma maneira mais amena de introduzi-los ao assunto, que não é assim tão simples. Ao ver os peixinhos de perto, a brincadeira educativa se torna bem mais estimulante.

Existem três principais modos de proliferação de peixes: a concepção ovípara, a vivípara e a ovovivípara. A seguir, observe de maneira bem simples e didática como funciona cada uma delas. Acompanhe!

Ovíparos

Nesse mecanismo biológico, a fêmea costuma liberar os óvulos de seu organismo em trechos de águas mais calmas. Depois disso, as células reprodutoras femininas são fecundadas pelo espermatozoide do macho. Em seguida, os óvulos já fertilizados navegam pela água ou caem no fundo do aquário ou do rio.

Algumas espécies gostam de proteger esses ovos na boca, onde eles são mantidos a salvo até eclodirem. Outras linhagens fazem até bolhas de água para assegurar a sobrevivência de seus futuros descendentes.

Vivíparos

A maneira vivípara de dar origem aos filhotes de peixes acontece de forma bem similar à humana. Os embriões se formam dentro do corpo da mamãe peixinha e têm seu desenvolvimento completamente realizado dentro dela.

Nesse caso, o feto consegue crescer por meio da alimentação vinda da placenta até o nascimento, quando as fêmeas de peixe dão à luz às suas crias. Além de ser comum em peixes, o método vivíparo ocorre na maioria dos mamíferos e em alguns insetos.

Ovovivíparos

Da mesma forma que os peixes vivíparos, os ovovivíparos também têm o zigoto se formando no interior das espécies de gênero feminino. A única diferença é que, neste caso, ao invés de elas gerarem um filhotinho, ovos são postos.

O peixe macho deposita os ovos no corpo da peixinha, onde eles conseguem nutrientes para se fortalecer. Com o fim do processo de formação desses indivíduos, os ovos são expelidos para fora do corpo da mãe.

Descubra a beleza da piracema

 Quando o tema é saber como os peixes se reproduzem, a piracema é um dos temas mais envolventes. Com origem no idioma indígena tupi, essa palavra significa “a subida dos peixes”.

Anualmente, algumas espécies entram na fase da piracema, na qual nadam em direção às cabeceiras dos rios para desovar. O dourado, por exemplo, desloca-se por 500 quilômetros contra a correnteza para conseguir ter seus filhotes.

Para se ter uma noção, esse trajeto equivale a viajar entre as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, que estão a cerca de 430 quilômetros de distância uma da outra. Ao nadarem no sentido contrário das correntes, esses animais ficam exaustos, mas produzem hormônios que serão fundamentais para a perpetuação.

A fecundação na piracema é externa, isto é, as peixinhas despejam seus óvulos na água, que são atingidos pelos espermas. Depois disso, o peixe faz o percurso de volta no sentido contrário, ou seja, a favor do fluxo d’água.

No Brasil, esse fenômeno costuma se dar no verão, época de chuvas intensas e de cheias. Nesse período, a lei brasileira restringe a pesca para evitar uma queda muito alta no número de animais das espécies que realizam essa verdadeira aventura.

Saiba mais sobre as espécies hermafroditas

Outra curiosidade estimulante ao estudar como os peixes se reproduzem é o hermafroditismo. Aproximadamente 10% das espécies nascem de um gênero e se transformam no outro. Isso significa que eles podem começar a vida como machos e virar fêmeas mais tarde. O contrário também se concretiza: fêmeas são capazes de desenvolver características de macho.

O peixe-palhaço Amphiprion é um bom exemplo disso. Ele nasce macho e assim permanece até alcançar mais ou menos a 8 centímetros. Em seguida, ele passa por um processo de modificação até virar uma fêmea.

Frequentemente, essa mudança de sexo acontece em razão de distúrbios biológicos no ambiente, que tornam a quantidade de fêmeas e machos muito desproporcional. Com essa habilidade, esses animais conseguem gerar filhotes mesmo em situações adversas. Por tudo isso, ter um peixe de estimação, além de bastante divertido, pode ser uma excelente forma de aprender Biologia.

Portanto, descobrir mais sobre como os peixes se reproduzem pode ser algo deslumbrante, inclusive para as crianças. Assim, elas vão ficar mais interessadas no aquarismo. Desse modo, quem sabe você não mantém esse hobby na família, despertando o encanto pelo tema em seus pequenos? Que tal ir um pouco além na arte de criar peixes? É simples: conheça o kit perfeito para montar o primeiro aquário de modo rápido e fácil.  Acesse aqui!

67 Compart.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *