doenças em Peixes

Como identificar e tratar doenças em peixes

Doenças em peixes são um pesadelo para qualquer amante do aquarismo, não é mesmo? Infelizmente, as enfermidades nesses amiguinhos são bastante comuns. Por outro lado, a maior parte delas pode ser tratada, embora haja casos em que as mortes são mesmo inevitáveis. Infecções por fungos, parasitas e bactérias são muito frequentes. Mas existem ainda doenças mais raras, como as congênitas e os tumores.

Mais um ponto importante é que manter a qualidade da água — com as devidas trocas ou então com um sistema de filtragem eficiente — afasta esse risco. O tratamento vai depender do tipo de moléstia: remédios e isolamentos são maneiras de ajudar na recuperação dos pets aquáticos. Quer saber mais? Então veja neste post dicas úteis para perceber e cuidar do peixe quando ele estiver com a saúde abalada. Acompanhe!

Veja como notar as patologias causadas por bactérias

As infecções bacterianas são um tipo comum de distúrbio nesses animaizinhos. Quando afetados, eles ficam menos ativos e perdem a vitalidade da coloração, apresentando uma certa palidez. Mais um sintoma desse mal é o desgaste das barbatanas, que ficam com um aspecto de desfiadas. Às vezes, elas podem sangrar nas bordas. Quando a doença atinge a extremidade da cauda, o peixe corre o risco de morrer.

Essa doença é evitada com as substituições de água e com os filtros de qualidade, o que garante uma boa limpeza do aquárioTambém são sinais de danos gerados por bactérias o inchaço do corpo, os olhos turvos e protuberantes, os ferimentos, os abcessos, a vermelhidão sobre as escamas e problemas respiratórios.

Aprenda a perceber as infecções por fungos

É muito importante prestar atenção aos indícios de fungos nos peixinhos. Isso porque a presença desses organismos nocivos pode esconder outros tipos de doenças. Um dos sinais que evidenciam esse problema é uma reação esquisita no nado. Eles começam a nadar de forma frenética de uma direção para outra quando estão acometidos pela ação fúngica.

Afora isso, também são suspeitas desse tipo de distúrbio o surgimento de uma “pele esbranquiçada” no entorno dos olhos, na boca ou até mesmo espalhada pelas escamas.

Detecte os males de parasitas

As doenças em peixes também podem surgir por causa de parasitas. Nesse caso, o conselho é ficar atento à alimentação e ao comportamento. Quando acometido por parasitoses, esses animaizinhos perdem a energia e ficam praticamente inertes.

Outro dado fundamental: costuma aparecer um muco sobre o corpo do pet. Em algumas situações, dá para ver os vermes saindo de dentro dele. O sistema respiratório passa por um processo de aceleração. Do mesmo modo, as coceiras também são indicações dessa categoria de enfermidade. Quando o peixe fica se esfregando nas paredes do aquário ou em demais objetos, é provável que ele esteja se coçando.

Faça o tratamento com um aquário-hospital

Ao notar um peixinho adoecido, pode ser preciso separá-lo dos demais. Isso é importante tanto para garantir uma recuperação mais rápida como para não contagiar os demais indivíduos.

Para essa “UTI”, descarte o uso de areia e cascalho, assim como as plantas vivas, que podem dificultar a reabilitação. O ideal é um sistema de filtragem sem carbono, uma vez que esse elemento químico pode interferir na ação dos medicamentos. Veja mais dicas!

Prepare o aquário-terapêutico

O primeiro passo para fazer seu aquário-hospital é deixar o ambiente o mais parecido possível com o anterior, ou seja, com o aquário de onde ele foi removido. Isso inclui temperatura, PH e o uso de produtos para anular os efeitos do cloro, como os condicionadores. Os kits de PH ajudam nessa tarefa.

Em certas situações, pode ser preciso dar um banho de água salgada nos peixes de água doce doentes, antes de introduzi-los no aquário-hospital. Só que é necessário muito cuidado nesse procedimento. Jamais utilize o sal de cozinha comum, que tem iodo, elemento prejudicial para os peixes.

Como alternativa, você pode utilizar sal grosso ou então o sal marinho puro, que normalmente é empregado em aquários de água salgada. Algumas espécies são muito sensíveis ao sal e, por causa disso, não podem passar por essa medida. Esse é o caso do cascudo e do peixe limpa-vidros. Muita atenção é indispensável aqui. Afinal, se o pet já estiver doente, submetê-lo a um estresse como esse pode ser fatal.

Voltemos ao banho salgado (naqueles que podem passar por ele!). Pegue dois baldes de 9,5 litros cada um, pelo menos. No primeiro deles, acrescente 3/8 de uma colher de chá com sal (bem rasinha) para cada 3,8 litros. Conte o tempo de dois em dois minutos e vá repetindo a inserção até dar dez minutos.

Leve seu peixe para o segundo balde e aguarde 15 minutos. Após esse intervalo, coloque sal também no segundo balde, na mesma proporção. O sal pode ajudar a combater bactérias, fungos e parasitas. Espere outros 15 minutos e pode colocar o pet no aquário-terapêutico (desde que a água já esteja preparada, como já dissemos).

Aplique a medicação

O ideal é contar com um veterinário com experiência em aquarismo para prescrever os remédios adequados para cada enfermidade. Se isso não for possível, verifique na internet. Existem até aplicativos que detectam as moléstias nos peixes. Outra boa fonte de informação são as bulas dos remédios. Tenha muito cuidado com a dose!

Observe por 10 dias

As doenças em peixes exigem, em média, 10 dias de “internação”. Nesse período, substitua a água do aquário-hospital diariamente. É preciso renovar de 30% a 50%. Desse modo, o ambiente ficará mais limpo, o que vai facilitar o processo de cura.

Adote alguns cuidados especiais

Alguns detalhes são capazes de acelerar o restabelecimento desses amiguinhos. Por exemplo: as plantas artificiais são ótimas para relaxar várias espécies de peixes, o que é muito bom para combater as disfunções.

Os outros tipos de enfeites também contribuem para reduzir o estresse, uma vez que os pets aquáticos podem usá-los para se esconderem. Tenha cuidado com a iluminação do aquário, que deve ser moderada para não gerar incômodo. Deixar o aquário-hospital em um recinto com pouca luz faz bastante diferença.

Outra dica é inserir pedras porosas. Isso acelera a renovação de oxigênio. Lembre-se de que os medicamentos podem atrapalhar um pouco a estabilidade da água.

Livrar-se das doenças em peixes, portanto, é algo que exige trabalho, mas não é impossível. Com os procedimentos corretos, você vai garantir indivíduos bonitos e saudáveis. Afora isso, é bom lembrar que a qualidade da água evita inúmeras anormalidades comuns nesses animais. Por isso, faça as trocas da forma certa ou garanta um filtro eficiente. Quer saber mais? Então leia também nosso artigo sobre como deixar o aquário saudável!

9 Compart.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *